18h às 19h

— convidado Marcelino Freire – mediação: Bráulio Tavares

Estandarte do realismo fantástico e frequentador de aulas de boxe, o argentino Julio Cortázar é um grande contista e um fabuloso teórico do conto, com contribuições magníficas. Ele é conhecido pela precisão, onde cada texto é um soco técnico e imbatível. Escrever para ele é o resultado da ousadia de pôr em jogo recursos de desvio, agressão, reversão e desbaratamento para impedir que a linguagem imponha suas regras, se interponha entre consciência e mundo, entre apreensão e expressão.

Para Cortázar o conto é um gênero de dificílima definição, gênero “tão secreto e dobrado sobre si mesmo, caracol da linguagem, irmão misterioso da poesia em outra dimensão do tempo literário”. Segundo ele, um conto pode ser o relato de um acontecimento real ou fictício. E sendo um gênero breve, contém em si uma vitalidade sintetizada que se caracteriza mais pelas densidades humanas impressas nas pequenas tramas e pelo brilho da escrita, do estilo e da linguagem, do que propriamente pelas histórias narradas,

Este bate-papo é um convite para observamos que aquilo que ocorre num conto deve ser intenso, entendendo-se intensidade como o palpitar da substância da narrativa, um núcleo animado inseparável e decisivo, em torno do qual orbitam os demais elementos. Segundo Cortázar, um dos grandes narradores hispanoamericanos do século XX, não é somente questão de tema, “de ajustar o episódio ao seu miolo”, mas de fazê-lo coincidir com a sua expressão verbal, aparando arestas para que nada ultrapasse os limites desejáveis.

Nas suas palavras: “Todo conto perdurável é como a semente onde dorme a árvore gigantesca. Essa árvore crescerá em nós, inscreverá seu nome em nossa memória”.

marcelino

Marcelino Freire é escritor e editor. Um dos principais nomes e divulgadores da nova geração de escritores. Ganhador do Prêmio Jabuti. Participou de várias antologias no Brasil e no exterior.

Barulio

Bráulio Tavares é escritor, compositor e roteirista de cinema e televisão. Pesquisador de literatura fantástica, organizou várias antologias do gênero e, também, publicou obras dedicadas ao público infantil e juvenil. Ganhador do Prêmio Caminho, Prêmio APCA e Prêmio Jabuti.